Vizinhos novos, e agora?

Vizinhos novos, e agora?

Em grandes metrópoles como SP, a comodidade de morar em prédios tem nos levado a viver e conviver em um modelo de construções que, a cada dia, nos deixa mais próximo dos nossos vizinhos.

Os condomínios são maiores e proporcionam diversas áreas de convivência. O que não significa necessariamente estar mais próximo de forma afetiva, mas na comunhão de espaços. Nosso estilo de vida apressado e de “portas fechadas”, não nos proporciona maior aproximação e dividir espaços com pessoas que não conhecemos é sempre desafiador.

Não é incomum ver pessoas mudando, chegando e indo embora, quem sabe até você? O seu vizinho não precisa ser um completo estranho, que tal praticar a velha política da boa vizinhança e ser um promotor da boa convivência?

Nossas dicas são simples, mas acredite, há quem não pratique:

Educação:
Saudar os seus vizinhos é sempre um gesto simpático: bom dia, boa tarde, como vai?
Temos uma tendência a individualidade, então cuidado com excesso de simpatia, pode parecer que você anda interessado demais na vida do seu vizinho.

 

Seja gentil:
Se você cruzou com um vizinho novo, apresente-se e coloque-se à disposição, inclusive para passar os contatos do síndico. (Você não precisa explicar que no condomínio há regras, mas com educação e sutileza sugira que o síndico pode passar informações importantes sobre o condomínio).

Fofocas:
Evite falar sobre quão bons ou ruins os demais vizinhos são, isso pode parecer fofoca, deixe que o novo vizinho tire suas próprias conclusões. Vale lembrar que se o novo vizinho perguntar, porque “ouviu falar”, não fomente as histórias, troque o assunto e saia pela tangente.

Fonte: Pinterest

Bom senso
Em geral, os problemas têm como raiz a invasão do espaço alheio, a falta de diálogo e bom humor, se o vizinho for novo ele pode estar se adaptando ou desconhecer as regras. Portanto, se tiver algum problema com ele, avalie primeiro se a situação foi pontual ou se ocorre com frequência. Releve se for possível, nem tudo precisa ir a síndico ou gerar situações de atrito.

Fonte: Pinterest

A educação ao seu favor
Se você foi simpático e o seu vizinho foi recíproco, e ocorrer alguma situação que lhe incomodou, ficará mais fácil chegar até ele e explicar, com educação e cuidado, o que se passou. Mas se isso não for possível, aí sim, a melhor opção é encaminhar ao síndico e evitar confrontos diretos.

No geral o bom senso é a melhor ferramenta que temos para uma boa convivência. Ser gentil, prestativo e acolhedor podem garantir uma boa impressão e relação com quem está chegando. Se ponha no lugar do próximo, pratique empatia e pense como gostaria de ser recebido se você estivesse chegando.

Fonte: Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *