Adegas climatizadas: monte o seu cantinho do vinho

Adegas climatizadas: monte o seu cantinho do vinho

Como dizem os especialistas, degustar um bom vinho é uma ciência. E para saborear a bebida no seu melhor, não basta apenas comprar uma bom rótulo e servi-lo antes ou durante de uma boa refeição. Conservar as garrafas da maneira correta e com a temperatura adequada é uma parte  importante desta experiência,  pois, afinal, com o passar do tempo, o líquido continua a “amadurecer”  até ser consumido novamente.

Sem essas condições especiais, todo o investimento na compra do vinho perfeito pode ir por água a baixo. Para evitar estas oscilações, muitos apreciadores têm optado por ter em casa suas próprias adegas particulares. Compacto e prático, este tipo de aparelho preenche todas as necessidades de entusiastas e de velhos apreciadores do sumo da uva.

“Cada tipo de vinho exige temperaturas específicas para a conservação e também para quando for servido. Se a garrafa ficar exposta e quente, parte do álcool pode evaporar. Guardadas na adega climatizada, as bebidas não sofrem com estas oscilações”, disse a arquiteta Flora Detanico, da empresa Lacava, responsável pela construção de adegas feitas sob medida.

Se você gostou da ideia, mas não sabe por onde começar, Flora reforça que conhecer o seu gosto e identificar as suas necessidades é o primeiro passo para definir qual adega é a melhor opção.  “Analisar quanto vinho você consome é, sem dúvida, o ponto de partida para escolher o modelo que mais se encaixa com você”, falou ela.

 Detalhes dentro e fora da adega

Ao escolher uma adega, certifique-se de que o seu motor não tenha oscilações e que seja silencioso (foto: Pinterest)

Ao escolher uma adega, certifique-se de que o seu motor não tenha oscilações e que seja silencioso (foto: Pinterest)

Do ponto de vista técnico, o primeiro aspecto a ser observado na hora da compra é a qualidade das ferragens e da vedação térmica, que podem ser vistas no funcionamento do aparelho. No lado de dentro, é interessante analisar em detalhes o funcionamento do motor, que é o coração da adega.

Eles podem ser por compressão ou troca de calor. Se optar pelo primeiro, certifique-se de que ele seja de baixa vibração, para não estragar a consistência do seu vinho com o tempo. E também que seja silencioso, afinal, já basta uma geladeira no apartamento. Já em sua outra variação, o dispositivo não tem motor, o que acaba com as trepidações e consequentemente protege o vinho, porém o seu método de resfriamento não é tão potente em regiões mais quentes, justamente por que balanceia a temperatura interna com base na externa.

De acordo com o jornalista Christian Burgos, da revista Adega, escolher produtos de empresas bem estabelecidas e com boa assistência técnica na sua cidade também são diferenciais, pois assim como os grandes vinhos, a sua adega também deve ter capacidade de resistir ao tempo.

Quantos volumes na adega?

Quanto ao tamanho e à quantidade de garrafas, Burgos acredita que tudo vai depender do volume de consumo. “É importante notar que não vale comprar uma adega com pequena capacidade se seu objetivo for guardar alguns vinhos para evoluir com o tempo. Por exemplo, se você compra 12 garrafas por mês e consome seis, a cada ano sua coleção crescerá 72 garrafas, tornando ideal uma adega para mais de 150 garrafas”, completou ele.

Para evitar "colecionar adegas", os especialistas recomendam modelos com espaço mínimo para 25 garrafas. (fotos: Divulgação)

Para evitar “colecionar adegas”, os especialistas recomendam modelos com espaço mínimo para 25 garrafas, como este da GE (dir), com 29 espaços. Porém, peças menores, como a da Tocave (esq) e Brastemp (centro) costumam ser a primeira opção dos novatos (fotos: Tocave/ Brastemp / GE/ Divulgação )

Já para Flora, a capacidade mínima de armazenamento é de ao menos 25 garrafas. “Para quem pretende começar, recomendo que a adega tenha o espaço mínimo para 25 garrafas. Desta forma, haverá como acomodar mais de um tipo de vinho sem problema”, disse ela. No Brasil, as principais produtoras de adegas deste tamanhos são a Sansung, a Art-des-Cave e a Eletrolux.

Os apreciadores esporádicos não precisam ficar assustados, afinal, também há modelos especiais para quem consome pouca bebida. Embora não indicados pelos especialistas, as câmaras com espaço para quatro ou oito rótulos também oferecem as mesmas funções de modelos maiores.Muitas das principais empresas de eletrodomésticos do país, como a Falmec, a Brastemp e a Continental, já desenvolveram linhas inteiras  focados exatamente para este tipo de consumidor.

Organização na adega

Depois de escolher a adega e ter os vinhos preferidos em mãos, é hora de definir como os rótulos ficarão organizados no interior do refrigerador.“Cada vinho tem uma temperatura especial, tanto para o consumo quanto para ficar armazenado, então, guardá-los no local certo contribui para deixar esta experiência mais rica”, falou a arquiteta.

Ambos os entrevistados sugeriram que os vinhos tintos, que tem temperatura ideal entre 14 e 15 graus, devam ficar nas prateleiras superiores; enquanto os brancos, um pouco mais gelados (10 a 12 graus) devem ficar mais embaixo, pois estas áreas costumam ter oscilação menor; os espumantes, por sua vez, são os últimos nesta ordem, já que devem ser mantido próximo aos 8 graus.

 (foto: Pinterest)

Mais “quentes”, os  tintos devem ficar na parte de cima da adega. Nas gavetas mais baixas, ficam os rótulos de vinho branco e os espumantes  (foto: Pinterest)

Com tantas temperaturas diferentes, é de se imaginar que haja alguma confusão em relação a qual deve ser mantida no climatizador. De acordo com Burgos, ela fica entre 13 e 16, pois protege qualquer vinho. “A princípio não teríamos que fazer nada, mas lembre-se que a temperatura do vinho sobe rapidamente alguns graus quando tirado da adega. Um balde de gelo pode ser interessante, sobretudo para manter os espumantes frios e brancos frescos”, falou o jornalista.

Limpeza e cuidados 

Quem entende o mínimo de vinhos sabe que para que ele mantenha o seu frescor, é importantíssimo que a garrafa não tenha incidência do sol ou de fontes de calor próximas. Então, na hora de instalar sua adega, atente-se a este detalhe. Além disso, locais que possam tremer também não são indicados, justamente por que podem alterar a composição do vinho.

Investimento

Qual o preço ideal para a sua adega? Pergunta difícil. Os modelos mais simples, com menos de dez garrafas, são vendidos a partir de R$ 500. Já as versões mais modernas e espaçosas passam facilmente dos R$ 3 mil. Tudo vai depender das funções e quantidade de recipientes que podem ser armazenados em seu interior.

Na hora de colocar a mão no bolso, Burgos aconselha a tratar a adega como parte de um investimento. “Lembre-se que pode parecer muito, mas quando você compra uma adega para bons vinhos, ela vai acabar custando bem menos do que o valor dos rótulos que ela protege”, finalizou o jornalista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *